Homenagens e Cartões

Total de visualizações de página

sábado, 5 de dezembro de 2015

PROJETO MEU BERÇO MEU ORGULHO *JOSÉ LEITE GUERRA*



Projeto: Meu Berço Meu Orgulho
Patrono: Manoel de Barros
Acadêmico: José Leite Guerra
Cadeira: 05


(Homenagem a João Pessoa – Paraíba)

(José Leite Guerra)

à beira do Sanhauá
cidade de cajus, jambos, cajás
mangas e tropicais fruteiras
plantadas no calçamento
e estreitas calçadas
sem barcos que ancorem
em vitalino cais
tendo só por ornamento
ondulações fluviais

se guerras houve, raras
o corrimento de sangue
ficou coalhado na lama
escura do extenso mangue
se na conquista houve penas
foram as dos tabajaras
que fizeram a paz, em trama,
Piragibe, João Tavares
Martim Leitão, novos ares
subir ladeira , encontrar
no cimo, no alto, lugar
onde erigir a capela
ao soprar de brisas leves
Nossa Senhora das Neves
lá embaixo o Sanhauá
preguiçoso, suave
como sono após almoço
cidade sem alvoroço
pouco acima da maré
resistentes os pecados
frequentando cabarés
subir ladeira e encontrar
o antigo Ponto Cem Réis
edifícios antigos, chalés
cidade nunca se apronta
nem menina, nem matrona
vaidosa, usa sombras
verdes; amarelas,
roxas sedas, mil acácias
batom vermelho – flor de jambo
postada sobre as janelas
de ponta a ponta Seixas
cidade média, suas queixas
suspiro de mar, de praia
vezes por outra desmaia
está à beira de enfarte
ou à beira do Sanhauá?
cidade barroca, em arte
tem contornos, tem os riscos
de São Bento, São Francisco
do Carmo, Misericórdia.
Misericórdia, o Espaço
um esqueleto de aço
ossos lisos de metal
vocação provinciana
permanecer costumeira
em Teatro “Santa Roza”
em bicas assim formosas
e em vovós ladeiras
como estás modificada, cidade,
onde tua voz
nos pregões ficou calada?
teu ontem, teus bondes roucos
todas essas ruínas
de casarões, monumentos
quem acoita os facínoras
destruidores da História?
e, à noite, sobre a lagoa,
pousam de quando em vez
fantasmas de irerês
ao som de algum sino
a ponte envelhecida
carcomida
que teceu rendas
ao sol poente
não está adormecida:
namora o porto vitalino.

A beleza dela cabe
toda na imensidão
de meu coração de filho
desde o rio, o manguezal
até as praias afáveis
entre o rio Sanhauá
e o ondular do mar
um amor que sendo franco
avança com os anos
tal qual faz o Cabo Branco
no inquieto corpo das águas
nesta cidade querida
meu orgulho e meu berço
onde deito toda a vida
no aconchego sem preço
de emoção que desagua
em leito sem entulho
meu sincero orgulho.
José Leite Guerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário