Homenagens e Cartões

Total de visualizações de página

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Patrono : Manuel Bandeira. Acadêmica : Luiza Senis Cadeira 33



Meu Patrono visto por mim.

O que marca a poesia de Bandeira é
a simplicidade
Linguagem absolutamente clara revela
um olhar sutil sobre o cotidiano mostrando o que se esconde atrás
das situações cotidianas sua verdadeira
face oculta
O que marca os poemas de Manuel Bandeira é um suave toque melancólico
disfarçado de um olhar irônico
Alguns críticos arriscam dizer seria devido a sua doença .
Morreu aos 82 anos de parada cardíaca e não de tuberculose, a doença que o acompanhará durante grande período de sua existência.
Nasceu dia 19 de abril de1886
Recife -Pernambuco
Morreu - 13 de Outubro de1968 com hemorragia gástrica foi sepultado no túmulo 15 do mausoléu da Academia Brasileira de Letras no Cemitério São João Batista cidade do Rio de Janeiro. Manuel Carneiro de Souza Bandeira
Deixou sua poesia a nós enebriar a alma. .
Parafraseando Manuel Bandeira.

" Arte de amar".

Esquece a tua alma e saberás
O que é ter felicidade
A alma não carece se pronunciar
Fora do corpo de carne poderá
alsar vôos verdadeiramente significativos
Daqui pra frente eu discordo
do poeta então dou por término.
Luizaluzsenis.



Nenhum comentário:

Postar um comentário