Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Maria João Brito de Sousa






O MEU PATRONO VISTO POR MIM

Patrono - Manuel Maria Barbosa du Bocage
Académica - Maria João Brito de Sousa,
Cadeira - 06


Meu Ser Evaporei na Luta Insana

Meu ser evaporei na luta insana
Do tropel de paixões que me arrastava:
Ah! cego eu cria, ah! mísero eu sonhava
Em mim quasi imortal a essência humana!

De que inúmeros sóis a mente ufana
Existência falaz me não dourava!
Mas eis sucumbe Natureza escrava
Ao mal, que a vida em sua origem dana.

Prazeres, sócios meus, e meus tiranos!
Esta alma, que sedenta em si não coube,
No abismo vos sumiu dos desenganos

Deus, ó Deus!... quando a morte a luz me roube,
Ganhe um momento o que perderam anos,
Saiba morrer o que viver não soube.

Bocage, in 'Rimas'

Glosa ao soneto de Manuel Maria Barbosa du Bocage

"Meu ser evaporei na luta insana"
De um dia a dia no qual me negava
À Poesia, aos versos que engendrava
Quando apagava a luz que dela emana...

"De que inúmeros sóis a mente ufana",
Teimando em ser banal, me não privava?
Razões? Tinha razões, mas nem pensava
Que outra mais forte houvera... e mais humana...

"Prazeres, sócios meus e meus tiranos!"
Ou simples descaminho, o que me coube
Ao longo desses tantos, tantos anos...

"Deus, ó Deus!... quando a morte a luz me roube",
Renasça, enfim, de tantos desenganos,
Quanto de mim calei quando o não soube!

Maria João Brito de Sousa -

Resposta a Manuel Maria Barbosa du Bocage

"Meu Ser Evaporei na Luta Insana"

Agora, como tu, lembro o passado
E o quanto fui negando à velha sorte,
Mas não choro, sequer... que venha a morte
Clamar quanto foi gasto... e "processado"!

Arrepender-me? Nunca! O meu legado,
Embora escrito à pressa e num desnorte,
Não visa Deus, nem visa humana corte;
Visa, inteiro, o meu povo castigado

Pois, venha o que vier, sereno e forte,
Mantém quanta voz tinha ao ser criado,
Detém, da que o criou, quanto o conforte,

Renega ao que o quiser modificado
E reivindica a força que o suporte
Ao próprio crivo em que há-de ser filtrado!(*)

Maria João Brito de Sousa - 27.08.2015 - 11.43h

* O consensual filtro/crivo histórico dos "cinquenta anos sobre a morte do poeta/escritor".

Nenhum comentário:

Postar um comentário